Oh Admirabile commercium!

Seminarista Deoni Alexandrino da Silva



«O admirabile commercium! Creator generis humani, animatum corpus sumens de Virgine nasci dignatus est; et, procedens homo sine semine, largitus est nobis suam deitatem». – «Oh admirável permuta! O Criador do género humano, tomando corpo e alma, dignou-Se nascer duma Virgem; e, feito homem sem progenitor humano, tornou-nos participantes da sua divindade!» (CEC 526).
Esta é a verdade do que celebramos na noite de Natal! Ó admirável comércio, ó admirável consórcio, ó admirável permuta de Deus com a humanidade. Ele se faz homem, se rebaixa a condição de escravo (cf. Fl 2,7), vive a nossa vida, prova a nossa limitação, para que nós, pequenos que somos pudéssemos ser elevados à condição de senhores, viver a vida divina e provarmos a glória que provém Dele.

Assim sendo, o Natal não é a simplória comemoração do aniversário de Jesus, nem tampouco uma recordação saudosista de um fato histórico, mas é a contemplação de um mistério, a Encarnação, a qual nos remete a um silêncio perturbador e confiante, que brota do contato com este acontecimento vivo e atual na vida da Igreja.

Até aqui não vimos nada de novo. Esta verdade foi proclamada, anunciada, celebrada ao longo de quase dois mil anos, graças a Deus! O grande problema, porém, que atinge todos os cristãos, bem como toda a humanidade, sobretudo a sociedade contemporânea, é o fato de nos acostumarmos com as coisas, de cairmos na rotina e perdermos a profundidade daquilo que nos cerca. Os primeiros filósofos trilharam seu caminho de amor a sabedoria no observar a beleza e a verdade da Criação; e ao realizar isto seu desejo da verdade crescia cada vez mais. Eles não se conformavam com as superficialidades da Criação, mas buscavam a fundo seu significado. E isto, segundo Platão, se dava pela “admiração” que estes homens sentiam de tudo aquilo que os cercava. Deixamos de praticar ao longo dos anos o “ato de admirar”, pois não temos tempo para dar atenção demasiada a isto ou aquilo, a vida corre acelerada e o vai-e-vem do cotidiano nos impede de perdermos tempo com o que consideramos bobagens. Deixando de admirar perdemos a grande graça de contemplarmos a beleza da ação de Deus no mundo, e nos tornamos frios e superficiais.

Esta tal admiração brota do nosso encontro com a grandiosidade daquilo que observamos, como, por exemplo, a criança que se depara com algo até então desconhecido por ela e que na alegria de ter tido esta experiência faz de tudo para conhecer melhor o objeto experimentado. Esta admiração vai embora quando nós, cheios de orgulho e de um sentimento de onisciência, pensamos não ter mais nada neste mundo que nos pareça novo. Por isso, muitos de nós cristãos perdemos a admiração pela grande verdade vivenciada no Natal: Deus se faz homem e vive a nossa vida para que nós também vivêssemos a vida Dele. Isto para muitos se tornou uma verdade abstrata que nada diz à sua existência. Até perderam a grandiosidade do que ela significa.

Como Deus em sua onipotência se faz um mísero homem? Aceitar esta verdade não foi algo pacífico no tempo de Jesus; muitos não acreditaram. Falaciosamente poderíamos nos perguntar: e se tivéssemos vivido naquele tempo, teríamos acreditado nesta verdade? Como a história não é estudada pelas hipóteses, mas pelos fatos, esta pergunta não tem validade em si mesma. Isto, porém, não nos impede de indagar: como nos relacionamos com esta verdade? O que ela diz a nossos corações? O que ela muda em nossas vidas? As respostas a estas perguntas são pessoais e devem brotar do encontro com esta verdade.

Assim, na noite de hoje, noite silenciosa, como nos sugere a versão em inglês da música noite feliz, o espanto deve tomar conta de nossos corações, a admiração deve tomar o nosso ser e, neste silêncio sagrado, devemos contemplar este grande mistério de amor para podermos exclamar: Ó admirável permuta! Ó noite feliz! Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados! E assim, deixarmos que o grande Amor de Deus por nós dê significado e mude o rumo de nossas vidas.

Vivamos este Santo Natal de Nosso Senhor buscando nos admirar com este grandioso Mistério do Amor de Deus por nós.

Um Santo e Abençoado Natal a todos.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ato de Reparação ao Sagrado Coração de Jesus

12 - O Deus escondido, o soberano sacerdote